O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Por: União Vegana de Ativismo

O consumo de carne no Brasil caiu devido à alta nos preços e existe uma tendência de que esses sigam crescendo. A notícia levou algumas pessoas veganas desavisadas a comemorar tal queda, como se significasse que menos animais estão morrendo. Mas será que isso é verdade?

A desvalorização do real em relação a quase todas as moedas fez com que o mercado de animais vivos e mortos no país se tornasse mais competitivo, gerando aumento das exportações. A produção nacional está em sua capacidade máxima, já que o crescimento dos animais não obedece a voracidade do mercado, resultado de o país ter exportado um novo recorde de animais nos últimos três anos, assim como insumos de soja e milho para criações no exterior.

Os dados apontam para o maior consumo mundial de bois neste ano. Essa demanda leva junto também nossa riqueza de biodiversidade florestal, empobrece o solo e eleva o consumo de água potável, além de aumentar as tensões com os povos indígenas e quilombolas por terra, deixando para trás a crescente miséria do povo brasileiro: 1 em cada 3 habitantes não sabe se terá alimento para o dia seguinte. Situação que tende a se agravar devido ao desemprego e ao valor irrisório do atual auxílio emergencial.

Para essas pessoas, o consumo de bovinos é substituído, na medida do possível para cada família, por aves, ovos e opções ainda menos saudáveis, como linguiças e salsichas, que são alimentos ultraprocessados. Ou seja, os brasileiros estão reduzindo o consumo de carne vermelha por causa da miséria provocada pelo sistema em que vivemos, não porque “o vegetarianismo/veganismo está recebendo mais apoio”. Portanto, não há nada a comemorar!
Ao mesmo tempo, é necessário disseminar a informação de que é perfeitamente possível manter-se saudável com uma dieta à base de vegetais, que pesaria muito menos no orçamento familiar e permitiria diversificar mais o cardápio, com a inclusão de outros sabores e nutrientes. A base dessa dieta é feijão, arroz, legumes, verduras e frutas – itens amplamente conhecidos e acessíveis para boa parte da população -, sendo a maior fonte de proteína o feijão.

Uma dieta com mais alimentos variados, sem agrotóxicos e com menos ultraprocessados deve estar no nosso horizonte se almejamos um futuro mais saudável para a humanidade, pros animais e para o nosso planeta, mas isso certamente não deve ser feito às custas dos mais vulneráveis.

Defendemos um veganismo se baseia em um posicionamento contrário ao sofrimento e exploração, tanto de animais não humanos quanto de humanos. Assim, nossa luta é também para levar informação e garantir acesso a alimentos de qualidade para toda a população, com incentivo à autonomia, à soberania alimentar e aos pequenos agricultores.

Não adianta celebrar a redução no consumo de animais baseado na miséria de grande parte da população e no enriquecimento das elites do país. Até porque o que não está sendo consumido aqui é exportado, mantendo a cadeia de exploração e morte em prol de lucro para o agronegócio.
Por isso, ressaltamos que compreender a questão do consumo de animais para além de uma escolha indivídual é fundamental se realmente desejamos libertá-los. Afinal, queremos que os animais sejam completamente retirados da cadeia de produção de alimentos por escolha das pessoas e não por falta de escolha.


Imagem: https://uniaovegana.org/o-veganismo-popular-nao-comemora-o-aumento-do-preco-da-carne-texto-feito-para-xepa-ativismo/