Fundado em 2020 por um grupo de estudantes e profissionais liberais, o Coletivo de Cidadania de Foz do Iguaçu começa a apresentar à cidade seus projetos e iniciativas nas áreas de formação política, educação, economia urbana e direito à cidade.

Depois de permanecer com ações, reuniões e debates online, com o avanço da vacinação e a redução das mortes e internações por conta da pandemia, o Coletivo começou a novamente ir para a rua e organizar atividades e encontros.

O primeiro projeto ativo é o Cursinho Gratuito, organizado pelo fundador do Coletivo, Luiz Henrique Dias, que acontece no Centro de Foz todos os sábados e atende 35 jovens, grande parte nas aulas presenciais e uma parcela com materiais e orientações online. Outra iniciativa é um bloco exclusivo em um programa de rádio FM, com espaço aberto a jovens dos bairros de Foz que querem divulgar seus trabalhos artísticos ou levar demandas sociais.

Para Luiz, a retomada gradativa das atividades presenciais vai possibilitar mais reuniões. “No coletivo, todos têm liberdade para organizar seus projetos e contar com o apoio das demais pessoas que participam. A proposta é exatamente ser uma união de pessoas dispostas a debater e fazer pela cidade, de forma muito plural e contemporânea.”, explicou. Para ele, é preciso fazer um debate sério e responsável sobre os temas atuais, com coragem. “Não somos um grupo apolítico, sem opinião. Temos posicionamentos políticos e de defesa do meio ambiente, da mobilidade e da cultura urbanas e da democracia claros.”, pontuou.

O jornalista e estudante de relações internacionais, Roldy Julien, participa desde o início do “programa” e entende o grupo como um mecanismo social importante para a cidade. “O coletivo cidadania é um instrumento ideológico que busca a verdadeira integração entre os cidadões tanto econômico, religioso e social para uma sociedade mais justa.”, afirmou.

Para mais informações sobre as ações do coletivo basta acompanhar o perfil no Instagram @coletivofoz.