Mesmo sendo responsáveis pela maior parte dos empregos do país, as microempresas foram abandonadas à própria sorte pelo governo federal. Ao contrário do que prometeu, Bolsonaro retirou R$ 6,6 bilhões do crédito destinados às micros, que ficaram com apenas 3% do volume de financiamentos, o que gerou falências, demissões e quedas na capacidade produtiva que poderiam ter sido evitadas.

Por outro lado, as grandes empresas receberam um incremento de R$ 144 bilhões no crédito, mostrando que o governo faz um jogo injusto com a economia do país, prejudicando diretamente as economias locais e a massa de empregos formais.