Bolsonaro até tentou causar constrangimento à Câmara dos Deputados com o patético desfile de veículos militares no mesmo dia em que o Plenário votou a tal PEC do voto impresso, a nova paranóia bolsonarista. Porém, não adiantou em nada e a proposta foi rejeitada, mantendo o modelo atual (urna eletrônica).

Já os deputados paranaenses cumpriram um vergonhoso papel e registraram na história o apreço pelo retrocesso: 20 dos 30 parlamentares do Paraná votaram pelo retorno do voto em cédulas de papel. Apenas sete votaram contra e três não votaram.

Mas, para quem acha que isso aquieta os ânimos dos seguidores do atual presidente, fica um aviso: em breve eles acham outro tema pra se aglutinar (como fizeram com o tratamento precoce e com o voto impresso) e começam novamente a criar confusão. Ainda mais agora que sabem da derrota certa de Bolsonaro em 2022.

Veja como votaram os paranaenses:

SIM

Aline Sleutjes (PSL)
Aroldo Martins (Republicanos)
Boca Aberta (PROS)
Christiane Yared (PL)
Diego Garcia (Podemos)
Felipe Francischini (PSL)
Filipe Barros (PSL)
Leandre (PV)
Luciano Ducci (PSB)
Luiz Nishimori (PL)
Paulo Martins (PSC)
Pedro Lupion (DEM)
Ricardo Barros (PP)
Roman (Patriota)
Rossoni (PSDB)
Sargento Fahur (PSD)
Sergio Souza (MDB)
Stephanes Junior (PSD)
Toninho Wandscheer (PROS)
Vermelho (PSD)

NÃO

Aliel Machado (PSB)
Enio Verri (PT)
Gleisi Hoffmann (PT)
Gustavo Fruet (PDT)
Luizão Goulart (Republicanos)
Rubens Bueno (Cidadania)
Zeca Dirceu (PT)

NÃO VOTOU

Hermes Parcianello (MDB)
Luisa Canziani (PTB)
Giacobo (PL)